quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Em defesa da modernidade

Zygmunt Bauman
"A sociedade que entra no século XXI não é menos 'moderna' que a que entrou no século XX; o máximo que se pode dizer é que ela é moderna de um modo diferente. O que a faz tão moderna como era mais ou menos há um século é o que distingue a modernidade de todas as outras formas históricas do convívio humano: a compulsiva e obsessiva, contínua, irrefreável e sempre incompleta modernização; a opressiva e inerradicável, insaciável sede de destruição criativa (ou de criação destrutiva, se for o caso: de 'limpar o lugar' em nome de um 'novo e aperfeiçoado' projeto; de 'desmantelar', 'cortar', 'defasar', 'reunir' ou 'reduzir' tudo isso em nome da maior capacidade de fazer o mesmo no futuro - em nome da produtividade ou da competitividade)" (Zygmunt Bauman, Modernidade líquida).

Nenhum comentário:

Postar um comentário