sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Presentismo e exigências individuais na hipermodernidade

Gilles Lipovetsky
"O ambiente da civilização do efêmero fez mudar o tom emocional. A sensação de insegurança invadiu os espíritos; a saúde se impõe como obsessão das massas; o terrorismo, as catástrofes, as epidemias são regularmente notícia de primeira página. As lutas sociais e os discursos críticos não mais oferecem a perspectiva de construir utopias e superar a dominação. Só se fala de proteção, segurança, defesa das 'conquistas sociais', urgência humanitária, preservação do planeta. Em resumo, de 'limitar os estragos'. O clima de primeiro presentismo liberacionista e otimista, marcado pela frivolidade, desapareceu em favor de uma exigência generalizada de proteção" (Gilles Lipovetsky, Os tempos hipermodernos).

Nenhum comentário:

Postar um comentário